Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL DA UFRA

Publicado: Domingo, 28 de Junho de 2015, 06h31 | Última atualização em Segunda, 06 de Novembro de 2017, 19h39 | Acessos: 3307

METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PLAIN) DA UFRA: 2014-2024

 

Antônio Cordeiro de Santana
PRÓ-REITOR DA PROPLADI ENTRE 08/2013 E 08/2017 

INTRODUÇÃO

A Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) saiu do casulo e alçou voo para se consolidar como Universidade Multicampi, com a missão de contribuir para o desenvolvimento sustentável, a partir da formação de profissionais qualificados para o mercado, do desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas, da prestação de serviços e da difusão de conhecimentos para a sociedade amazônica. Essa trajetória é complexa e para conduzi-la de forma sustentável, necessita-se de um Planejamento Estratégico Institucional (PLAIN) para orientar seus planos, projetos e ações de longo prazo, com vistas a continuar melhorando seu padrão de qualidade e marcar posição de referencia em sua área de atuação na Amazônia e no Brasil.

Com esse intuito, desenvolveu-se a metodologia de Ciclo de Oficinas para o Planejamento Estratégico Institucional na UFRA (CICLOPI), com a presença da comunidade interna (professores, servidores e alunos) e de profissionais com amplo conhecimento sobre a complexidade econômica, social, cultural e ambiental da Amazônia, a formação de capital humano e capital social e a necessidade de tecnologias apropriadas para os sistemas de produção rurais e industriais, para diagnosticar o ambiente atual da UFRA e repensar a sua trajetória de desenvolvimento com redução da pobreza e melhoria da qualidade de vida da população da Amazônia.

De forma didática, o PLAIN é um processo que não se faz sozinho em um gabinete, mas com a ação conjunta de todos os grupos de interesse da instituição para gerar de forma compartilhada e contínua o conhecimento profundo dos ambientes interno e externo em que opera, envolvendo os agentes externos (instituições, profissionais e a comunidade influenciada) e internos com vistas para definir e implantar estratégias competitivas  capazes de alcançar sua missão e preservar seus valores.

 

METODOLOGIA DO PLAIN

Os níveis de abrangência da metodologia utilizada para o desenvolvimento do PLAIN são apresentados resumidamente em seguida e ilustrados na Figura 1.

Nível 1: Define a missão, visão e valores ou princípios norteadores da UFRA multicampi. Elaborado e apresentado para aprimoramento e validação nos diversos campi.

Nível 2: Diagnóstico e análise dos ambientes externo e interno:

  • a) No ambiente externo identificam-se as forças macro (demografia, mercado de trabalho, políticas econômica, tecnológica, social e ambiental) e as forças micro (fornecedores, clientes e concorrentes) que influenciam o desempenho sustentável da UFRA). Também identifica as oportunidades e ameaças a partir das informações obtidas em oficinas amplas, grupos de trabalho, aplicação de questionários, entrevistas e debates nos diversos campi.

     

  • b) No ambiente interno identificam-se os pontos fortes (qualidades, diferencial competitivo) e os pontos fracos (áreas de conflito, transparência, comunicação, tempo na realização de tarefas) no ensino, pesquisa, extensão e gestão da UFRA, a partir de Informações obtidas em documentos atuais, oficinas temáticas, aplicação de questionários e formação de grupos de trabalho internos com os segmentos dos diversos campi.

     

  • c) As técnicas de análise multivariada são aplicadas aos dados para a identificação dos fatores de maior relevância que expressam as dimensões latentes nos ambientes interna e externo de atuação da UFRA.

 

 

Nível 3: Configuração e análise da situação atual vivenciada nos campi da UFRA a partir dos resultados gerados nos níveis anteriores. Aplica-se a matriz FOFA (Fortaleza, Oportunidade, Fraqueza e Ameaça) e a respectiva qualificação por uma matriz de indicadores.

  • a) Definição dos objetivos gerais e específicos que a UFRA busca alcançar.
  • b) Definição das metas a as ações para alcançá-las.

 

 

Nível 4: Formular e implantar as estratégias e planos operacionais para alcançar os objetivos e metas em curto, médio e longo prazos.

Nível 5: Monitorar, controlar e retroalimentar o PLAIN para manter e aprimorar a trajetória de desenvolvimento da UFRA multicampi.

 

Figura 1 – Layout do Planejamento Estratégico Institucional (PLAIN) da UFRA

METODOLOGIA DO CICLOPI

O trabalho é desenvolvido aplicando-se uma metodologia que combina a realização de Ciclos de Oficinas envolvendo seminários e entrevistas com os representantes do ambiente externo (egressos, empregadores e instituições correlatas) e do ambiente interno (professores, alunos e servidores), que definem o campo de atuação da UFRA no mercado de trabalho e nas demandas de C,T&I. As oficinas são desenvolvidas nos seguintes passos.

Passo 1: Oficina preparatória do PLAIN

Oficina interna de preparação e conscientização da comunidade da UFRA para a participação ativa no PLAIN. Este evento ocorreu nos dias 25 e de outubro e 08 de novembro de 2013 e foram convidados a participar, em nome do Reitor, os pró-reitores, diretores de Instituto e coordenadores de curso de todos os campi, os chefes/gerentes de fazendas e/ou divisão (fazendas, biblioteca, editora, garagem, carpintaria), representantes de incubadoras e empresa júnior, diretório estudantil, centros acadêmicos, sindicatos de professores e de funcionários, presidente da CPPD.

Nesta ocasião é realizada uma palestra sobre o PLAIN e sua importância para o desenvolvimento sustentável da UFRA. Foi imprescindível a presença do Reitor para a abertura da Oficina, como forma de reforçar a importância do PLAIN como peça fundamental para orientar todas as ações estratégicas da UFRA. Isto foi pactuado entre o Reitor e pró-reitores a estarem presentes em todas as oficinas para demonstrar o empenho da gestão superior e ajudar na motivação para o engajamento da comunidade.

 

Passo 2: Oficinas para avaliação dos ambientes internos e externos

As oficinas ocorrem em três dias no campus Belém. No período da manhã é realizado o evento com a visão do ambiente externo, mediante palestras ministradas por especialistas convidados sobre temas propostos, seguido de amplo debate. Os temas estão vinculados às atividades de ensino, pesquisa, extensão, tecnologia e inovação, prestação de serviços da UFRA diante dos desafios do desenvolvimento sustentável da Amazônia.

 

Passo 3: Oficinas nos campi

A metodologia é reproduzida nos campi, sendo reservada uma tarde para diálogo em separado com alunos, servidores e professores de cada campus, de acordo com o folder do Ciclopi. As oficinas foram realizadas nos dias 9 e 10 de 12/2013 no campus de Capitão Poço, nos dias 9 e 10 de 01/2014 no campus de Paragominas, nos dias 13 e 14 de 01/2014 no campus de Capanema e nos dias 22 e 23 de 01/2014 no campus de Parauapebas. As tarefas desenvolvidas nesses campi inclui a aplicação dos questionários ao público interno e aos participantes externos.

 

CONSOLIDAÇÃO DO PLAIN

Ao final do Ciclopi, o conjunto de informações é sistematizado para indicar os fatores que definem os ambientes internos e externos da UFRA, considerando os institutos e campi. Tais fatores são elencados em ordem de prioridade pela representação dos grupos de interesse, segundo o horizonte de tempo, a possibilidade financeira, a dotação de capital humano, tendo em vista o alcance de sua missão.

A partir desse ponto as estratégias são definidas para o atingimento das metas e objetivos.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página